Páginas


Esta iniciativa consite em ações que possibilitem momentos de reflexão e construção pedagogica, abrangendo ainda propostas significativas para a prática cotidiana do educadores. De acordo com o contexto escolar e vivências as ideias e sugestões podem ser adequadas as necessidades reais nas expectativas de educadores e educandos

22 de out de 2013

RESUMO AUTORES SÓ OS PONTOS FORTES : ROMUALDO, Hoffmann, Luis C. Freitas,CHARLES HADJI, PHILIPPE PERRENOUD, ALARCÃO, KHOL,FREIRE, SELMA PIMENTA, MARIA INÊS COELHO, THULER, LENER, COLOMER, COLL, LEVY

ROMUALDO- Defende avaliação externa, SAEB, SARESP, BRASIL, essas avaliações dão uma devolutiva, é extremamente importante para o Brasil, através das avaliações o governo oferece formação para os professores, qualificação, para melhorar a qualidade na educação.

PARA ROMUALDO:

♦ Avaliação é medida e testagem

♦ Testagem – utilizar outros dados, não só as avaliações

♦ Processual e ponto de partida

♦ Desempenho

♦ Avaliação externa tem que transformar.


JUSSARA HOFFMANNLIVRO RESPEITAR PRIMEIRO, EDUCAR DEPOIS

♦ Avaliação mediadora

♦ Erro é produtivo e fecundo, produz intervenção

♦ Avaliação é diagnóstica

♦ Abordagem planejada

♦ As provas devem ser diversificadas

♦ Provas com objetivos, “o que eu quero dessa prova”

♦ Não usar pegadinhas e sim buscar estratégias mobilizadoras

♦ Busque o tempo e o espaço

♦ Quando o aluno tem meu respeito, acontece o educar, caso contrário o educar ficará comprometido.

♦ Avaliar é processo, não é conclusão

♦ Avaliar é incluir e não excluir

♦ O melhor modelo de avaliação é o que leva, leitura de imagem, completar, dissertar, alternativas, é uma prova diferenciada com vários tipos de linguagens, onde o aluno pode resolver de acordo com suas habilidades

♦ Só a prova tradicional é retrocesso

.♦ Elaborar prova benéfica.

♦ Dosar o tamanho da prova (tempo é necessário para realizar a prova)



LUIS CARLOS FREITAS – LIVRO CICLOS, SERIAÇÃO E AVALIAÇÃO

Defende o ciclo - continuidade

♦ Ciclo progressão continuada (s/repetir)

♦ A U.E. tem que ter projeto pedagógico

♦ Ciclo desenvolvimento global

♦ Ciclo é gestão da U.E., envolve todos, pais, alunos, comunidade, professores

♦ Ciclo é ruptura dos modelos tradicionais

♦ Ciclo é nova prática de construção

♦ Lógica do ciclo é a sala de aula, temos que garantis tempos e espaços para todos.

♦ Ciclo é bom, é favorável e não é promoção automática

♦ Faz o desenvolvimento global do aluno.



CHARLES HADJI AVALIAÇÃO DESMISTIFICADA

♦ Avaliação desmistificada, sem mistérios, claro

♦ Avaliação interna

♦ Avaliação para ajudar e não prejudicar

♦ Avaliação é sério (abuso de poder)

♦ Avaliação formativa (aquela que forma)

♦Avaliação pode ser implícita, não declarada, espontânea, surgir no momento, no cotidiano e é aproveitado, a instituída e a formal

♦ Avaliação prognostica, avaliação o que o aluno traz.

♦ Defende o erro

♦ Avaliação diagnostica

♦ Avaliação cumulativa – somativa



PHILIPPE PERRENOUDLIVRO AGIR NA URGÊNCIA, DECIDIR NA INCERTEZA?

♦ Conhecer o PPP

♦ Os segmentos da Escola

♦ Escola da sorte – organizada, forma seres lúcidos

♦ Escola do azar – seres dissimulados, trabalha na troca, seres sabotadores.

♦ Tem que ter gestão

♦ As faculdades não estão dando conta, necessita de suporte

♦ Formação continuada para professor



IZABEL ALARCÂO
LIVRO ‘ESCOLA REFLEXIVA, PROFESSOR REFLEXIVO’

♦ Projeto (tem grupo, tem comunidade)

♦ Tomar decisões coletiva

♦ Oferece espaço (ambientes participativos)

♦ Professor pesquisador

♦ Projeto pedagógico

♦ A rápida evolução dos conhecimentos exigem de todos uma permanente aprendizagem

♦ Avalanche de informações

♦ Sociedade complexa


Marta khollivro jovens e adultos como sujeito de conhecimento e aprendizagem

♦ EJA

♦ Trabalhar no social, coletivo

♦ Repensar a faixa etária

♦ EJA – são sujeitos de conhecimentos, ou seja eles vem com um conhecimento

♦Cuidar da exclusão

♦ Pense nas especificidade do adolescente e do adulto – metodologia.

♦ resgatar competências e habilidades para aflorar.

♦ EJA é empregabilidade.


PAULO FREIRE LIVRO PEGADOGIA DA AUTONOMIA

♦ Autonomia, eu estou garantindo que o aluno tem competência

♦ Desenvolver competência, do saber fazer

♦ Ensinar exige:

• não há docência sem discência

• rigorosidade (ser cuidadoso)

• aceitar o novo

• rejeitar qualquer tipo de discriminação

• reconhecer a identidade cultura

♦ Autonomia exige bom senso, tolerância, mudança, competência e comprometimento

♦ decisões conscientes

♦ saber escutar.

♦ Formar aluno para a busca da autonomia

♦ Aluno não pode ficar sem resposta

♦Professor tem que pesquisar sempre, nunca para de estudar

♦ Relação dialógica, comunicação continua (mudança da prática)

♦ Aluno protagonista

♦Aprendizagem com ética, ou seja, ter comprometimento, respeito, identidade (reconhecer que eu estou na sala de aula em função do aluno)

♦ “ SALA DE AULA É CIRCO, E VC É O PALHAÇO” ou seja ( o aluno tem que gostar do professor) circo = a sala de aula e palhaço desperta interesse.

♦ Temos que ser alegre, ter bom senso, ser inovador, curioso.

♦ Memorização sim, mas com significado

♦ Professor é exemplo Mudanças vem através da prática

♦ Trabalhar para despertar o aluno

♦Para ensinar tem que ser humilde e tolerante, ter um olhar diferente, para transformar o educando

♦ Ensinar não é só transmitir conhecimento, mas também trabalhar a realidade dos educando, ouvi-los

♦ O conhecimento é inacabado

♦ seja comprometido com o aluno

♦ Ideologia dominante – o que a nossa sociedade impõe, a escola necessita desmascarar essa ideologia


SELMA PIMENTA USP LIVRO PROFESSOR REFLEXIVO NO BRASIL: GÊNESE E CRÍTICA DE UM CONCEITO

♦ Defende:

• Saber a origem e a critica

♦ Professor nunca esta sozinho, ele tem momentos de relfexão no coletivo

♦ Professor tem que ser reflexivo

♦ Professor – formação inicial (faculdade) para qualidade no trabalho em sala de aula

♦ Professor tem desejos e sentimentos

♦ Professor sofre influências com as avaliações

♦ Alunos e professores são avaliados

♦ Deve-se aproximar teoria e pratica.

♦ A relfexão é responsabilidade e resulta aperfeiçoamento

♦ Estágio é comprometimento, treinamento reflexivo, é sério, não apenas observador.

♦ Defende muita a formação inicial do Professor (faculdade)

♦ O resultado dos alunos, vai mexer na pratica, no trabalho do professor.

♦ A reflexão é articular teoria e pratica.

♦ Formação continuada

♦ Professora é humano.


MARIA INÊS COELHOLIVRO A EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO HUMANA

♦ Propõe diálogo com os educadores, tem que haver um diálogo.

♦ Discutir a desumanização dentro da escola.

♦ O protagonismo humano, valorizar os valores humanos, morais, culturais, colocar em evidências o SER

♦ Problematizar estudos e pesquisas, a partis dos problemas gerar investigações

♦ Emancipação social, tirar o Professor e o aluno do seu nível e ir para um nível melhor

♦ O trabalhador é sujeito de conhecimento de mundo, e esse sujeito é intelectual ou material.

♦ Autonomia é agir com reflexão e ação.

♦ Ensino que não seja só de sala de aula, deve ser lugar de formação

♦ Reforma e política educacionais igual cidadania.

♦Valorizar a vida, o cidadão

♦ Buscar ajuda de fora (saúde, segurança, comunidade)



MÔNICA THURLER LIVRO INOVAR NO INTERIROR DA ESCOLA

♦ Escola reflexiva

♦ Inovar dentro e fora da Escola

♦ A gestão e a comunidade vai mudar o interior da Escola

♦ Mobilização dos processos educativos

♦ Aprendizagem individual e coletiva

♦ Organizar os trabalhos com lógicas de ação e autonomia

♦ Confrontar lógica burocrática e profissional – gestão séria

♦ Nunca priorizar o burocrático e sim o profissional, o profissional é reflexivo

♦ Sugeri estratégias inovadoras como:

• auto avaliação

• descentralização de poder

• mudanças

• autonomia

♦ Descentralização é novo modelo de gestão, mudança bem sucedida.

♦ Cooperação profissional, ou seja, desvendar o egocentrismo – (delegar)

♦ Defende escola com projetos.

♦ Projeto educativo norteador, é um guia vem do governo, PCN (dispositivo, documentação legal)

♦ Projeto de escola – ações/ atividades

♦ Dimensões de um projeto:

• Capacidade individual

• participação

• representações (segmento da escola), gestão, professores, comunidade e alunos

♦ Liderança dentro da escola, a liderança não pode ser imposta é conquistada


DELIA LENER LIVRO LER E ESCREVER NA ESCOLA: O REAL, O POSSÍVEL E O NECESSÁRIO
♦ Defende :

♦ A leitura e a escrita

♦ Ler o real, (realidade do aluno) o possível e o necessário resgatar o que é fundamental

♦ Contrato didático (combinados com os alunos)

♦ Transposição didáticas (tirar de um lugar e colocar em outro, e sim intervenções

♦ Tempo é aproveitar mais, ser rigoroso na minha proposta

♦ Organização

♦ Professor tem que ser leitor

♦ Professor tem que discutir textos.

♦ Aprender a levantar vôo

♦ Combater as discriminações nas escolas, promovendo diferentes leituras

♦ Escutar é primordial, se eu escuto meu aluno eu aprendo

♦ Ler é viajar para outros mundos

♦ Ler é tirar carta de cidadania.

♦ Leitura desgarrada de propósitos, (a leitura tem que ter objetivos)

♦ Falta proposta pedagógica nos textos escolares (não atende os interesses)

♦ Ela (Délia) não é favorável aos livros didáticos

♦ Usar somente como consulta (livros didáticos)


TERESA COLOMER LIVRO ENSINAR A LER, ENSINAR A COMPREENDER

♦ Defende:

♦ O ato de ler

♦ Ler é raciocínio interpretativo

♦ é formação de individuo

♦ destaca a memória

♦ memorização a curto e longo prazo (mas significativa)

♦ ensino e aprendizagem da leitura

♦ defende oralizar , só se tiver especificidade.

♦ a leitura tem que ter planejamento e estar relacionada com o trabalho da escola

♦ a leitura amplia repertório

♦ leitura de mundo

♦ erro é avanço (sai de um nível para outro)


CESAR COLL
LIVRO PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO VIRTUAL

♦ defensor das novas tecnologias (TICs)

♦ Aprendizagem construtiva

♦ Para aprender tem que construir

♦ Trazer a prática para a sala de aula.

♦ aprender colaborativo

♦ trabalhar em grupo (misto)

♦ construção de conhecimento (através da prática)

♦ linguagem da internet

♦ tem que haver nas escolas melhorias nas infra-estruturas tecnológicas

♦ economia global, o mundo digitalizado favorece a economia.

♦ professor com olhar pedagógico, organizador e técnico

♦ discutir o excesso de informações (infosificação)

♦ não temos tempo para reflexão

♦ garantir o cognitivo e o sócio-cognitivo

♦ ter o lado humano presente

♦ sair da competência individual para o cooperação

♦ professores são descréditos nas novas tecnologias, (não dominam) em relação ao aluno, o professor acha que a internet não é seguro.



PIERR LEVYLIVRO CIBERCULTURA

♦ Cibercultura = a internet como espaço de cultura (conhecimentos)

♦ a importância das TICs

♦ discuti que a sociedade tem que trabalhar essas novas tecnologias

♦ é impossível separar o lado humano das novas tecnologias, estão o tempo todo presentes.

♦ cibercultura é veneno ou remédio – dependo do uso

♦ defende que as novas tecnologias mudaram os som e as músicas (todo tipo de música é aceito/conhecido) – modernizou

♦ favorável as artes

♦ globalização da música

♦ defende musica oral, escrita e gravada como exemplos de audição

♦ papel da escola é orientar, trabalhar a informática para desenvolver a criatividade

Um comentário:

  1. cada autor tem seu ponto de ista, mas no final todos tem o mesmo parecer que temos que educar para ensinar ou ensinar para educar.

    ResponderExcluir

- Faça Seu Comentário sem Medo
- Não Xingar ou Ofender os Usuários
- Faça Perguntas a Vontade